Aqui você tem acesso ao seu boleto e muito mais. Acesse já.  

Cuidados na contratação de porteiros, zeladores,..

Funcionários do condomínio são peças chave para a segurança dos moradores

Funcionários do condomínio são peças chave para a segurança dos moradores

Especialistas não se cansam de afirmar que os funcionários do condomínio são peças chave para a segurança dos moradores. Essa consciência está se firmando em um mercado cada vez mais competitivo e os profissionais já buscam se preparar melhor.

Mesmo assim, conseguir um funcionário bom e de confiança, não é nada fácil. Esse desafio pode ficar um pouco mais simples se o contratante tiver em mente que será necessário ter disposição e paciência para procurar e investigar.

E isso vale também para condomínios que trabalham com empresas terceirizadas. Neste caso, a atenção deve ser voltada à empresa contratada, à sua idoneidade e experiência de mercado, já que encontrar um bom funcionário passa a ser responsabilidade dela.

Vale ressaltar também que o trabalho não termina após o processo de contratação, é necessário estar sempre atento à gestão dos funcionários e fazer uma checagem de rotina.

No caso de mão de obra terceirizada:

Contratação e checagem

Os cuidados (abaixo) na contratação e checagem dos funcionários são os mesmos para quem terceiriza ou não. Quem terceiriza não é responsável por esta checagem. Mas, tem obrigação de cobrar da empresa os procedimentos que ela adotou durante a contratação. As mesmas medidas de segurança também valem para funcionários antigos.

Como fazer a checagem dos funcionários

  1. Pedir Atestado de Antecedentes Criminais anualmente. Veja abaixo alguns sites que fornecem o atestado em diferentes regiões do Brasil (veja links logo abaixo).
  2. Pedir certidão negativa de pendências anualmente, em qualquer agência da Serasa. O site www.serasa.com.br disponibiliza endereços de todas as agências no Brasil. Terceiros podem pedir esta certidão se forem pessoas jurídicas e clientes da Serasa. Pessoa física somente com procuração.
  3. Pedir referências nos trabalhos anteriores, procurar saber o motivo do desligamento.
  4. Pedir comprovante de residência e ir pessoalmente até a casa da pessoa. Isto deve ser feito a cada seis meses. Segundo Caetano, esta medida é muito importante: “quem está mal intencionado não permite esta visita”.
  5. Investigação social: conversar com vizinhos, amigos e familiares.
  6. Consulta psicológica anual.

Fonte: https://www.sindiconet.com.br/